10/08/2017

Audiência Pública debate a expansão da graduação EaD na área da saúde

Com o tema “Expansão da oferta de cursos superiores a distância na área da saúde”, aconteceu, nesta terça-feira (08), audiência pública organizada pela Comissão de Educação da Câmara dos Deputados. No debate, o Conselho Federal de Enfermagem (Cofen), representado pela conselheira federal Dorisdaia Humerez, ressaltou sua posição contrária ao Ensino a Distância na Enfermagem.

A conselheira e coordenadora da Operação EaD, mostrou a situação atual dos cursos de educação a distância, no qual a maioria não oferece condições mínimas de formação.  Baixo investimento, falta de infraestrutura e a falta de conhecimento com a prática do exercício da profissão são características dos cursos EaD oferecidos.

Da grade curricular exigida nos cursos a distância apenas 20%, que equivale aos dois últimos semestres, será presencial. A fiscalização do Ministério da Educação (MEC) nos polos, é realizada por amostragem, diferentemente do que ocorre no ensino presencial, favorecendo a proliferação de cursos de má-qualidade.

“Nossa preocupação é garantir a qualidade do serviço da Enfermagem e a melhor assistência a população”, ressalta Dorisdaia. A Enfermagem é o maior curso da área da saúde, com 65% da força do trabalho do SUS. Para a conselheira, sem Enfermagem não tem saúde no Brasil.

“O objetivo dessa luta é garantir a qualidade do serviço da Enfermagem”, ressalta Dorisdaia

A primeira mesa foi composta pelo Deputado Federal Átila Lira (PSB/PI), Luiz Roberto Curi, presidente da Câmara de Educação Superior do Conselho Nacional de Educação (CES/CNE), Henrique Sartori, Secretário de Regulação e Supervisão da Educação Superior do Ministério da Educação (SERES/MEC), Cássio Fernando Silva, coordenador do Fórum dos Conselhos Federais da Área da Saúde (CFAS) e Zilamar Fernandes, professora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

“O EaD tem que ser usado como complemento, não como substituição da graduação”, afirma Zilamar Fernandes.

Para a deputada Alice Portugal (PCdoB/BA) não existe possibilidade de formar um profissional de saúde por meio de educação a distância. “As relações interpessoais são estratégicas na formação integral do profissional”, afirma.

Ao final da audiência o deputado Átila Lira destacou que essa é uma grande luta e que o Cofen há muito tempo combate o EaD na saúde. Segundo o parlamentar, a audiência de hoje contou com o maior público na Comissão de Educação, ocupando dois auditórios. As instituições contrárias à formação EaD na área da saúde foram fortemente aplaudidas em seus discursos.

O Cofen apoia o Projeto de Lei 2891/2015, que torna obrigatório o ensino presencial para a graduação de enfermeiros e formação de técnicos em Enfermagem, a criação de exame de suficiência e maior controle na abertura de vagas. Os Conselhos de Enfermagem promoveram audiências públicas em todo o Brasil mobilizando a sociedade. Responsável pela fiscalização do exercício profissional, o Sistema Cofen/Conselhos Regionais considera que os conhecimentos teórico-práticos e habilidades relacionais indispensáveis para a Enfermagem não podem ser desenvolvidos a distância.

Fonte: Ascom – Cofen




  • coren5-181x116
  • transferencia
  • e-dimensionamento1-207x117
  • BannerLateralAnjosEnfermagem-207x117
  • BannerLateralSaudeEvidencias-207x114
  • BannerLateralMunean-207x111